PRISIONAL

A ação dos Agentes de Segurança Penitenciários da Penitenciária Dr. Manoel Martins Lisboa Júnior, em Muriaé, na Zona da Mata, evitou a entrada de dez aparelhos celulares com baterias, sete barras prensadas de substância semelhantes à maconha pesando quase um quilo, oito chips de telefonia móvel e oito carregadores.

 

A apreensão aconteceu na última terça-feira, 15.08, por volta das 20h, quando Agentes de Segurança Penitenciários, responsáveis pelo Circuito Fechado de Vídeo Monitoramento (CFTV), identificaram um homem tentando lançar objetos ilícitos para o interior da Penitenciária. Os agentes da muralha foram acionados e conseguiram interceptar o material, mas a pessoa fugiu do local.

 

Para o Diretor de Segurança da Penitenciária Dr. Manoel Martins Lisboa Júnior, Fábio Júlio Silva Freitas, a ação foi possível graças ao trabalho dos servidores, atuando de forma preventiva e repressiva. “Estamos sempre atentos para possíveis ameaças à segurança da unidade e à integridade física de todos que trabalham na unidade”.

A direção da Penitenciária confeccionou o Boletim de Ocorrência e irá apurar o caso por meio de um procedimento administrativo interno. O material apreendido foi encaminhado para a Polícia Civil, que investigará o fato.

O Sistema Prisional Mineiro mostrou mais uma vez a sua eficiência em garantir a segurança e a ordem dentro das Unidades Prisionais. Na madrugada da última quarta-feira (15.08), um Agente de Segurança Penitenciário da Penitenciária Professor João Pimenta da Veiga, em Uberlândia, conseguiu abater um drone que sobrevoava os pavilhões da Unidade Prisional. O aparelho transportava dois celulares e carregadores destinados a presos da Penitenciária.

 

A direção da Penitenciária confeccionou o Boletim de Ocorrência e irá apurar o caso por meio de um procedimento administrativo interno. O drone e os celulares foram encaminhados para a Polícia Civil, que investigará o fato.

Para a Superintendente de Segurança Prisional da SEAP, Sara Simões Pires, a ação da Unidade merece reconhecimento por ter evitado a entrada de objetos ilícitos na Penitenciária. “Os servidores estão atentos ao cumprimento de suas funções, e seguem as determinações da Secretaria em prol da segurança.”

O Secretário de Estado de Administração Prisional, Desembargador Francisco Kupidlowski, elogiou a atuação da equipe de Agentes de Segurança Penitenciários que estava de plantão e reforçou o compromisso da Secretaria em promover cada vez mais ações de prevenção e repressão à entrada de objetos ilícitos nas unidades prisionais do Estado.

 Agentes Penitenciários da unidade prisional da cidade de Carangola, durante procedimento de rotina de buscas estrutural, no intuído de garantir a ordem e a segurança do estabelecimento prisional, interceptaram um tijolo de maconha com aproximadamente 7 cm de comprimento. O produto estava escondido em entulhos das obras do presídio, na área de segurança externa, próximo a muralha e provavelmente seria entregue aos presos.

A Diretora Geral, Drª. Ellen Leal, frisou a eficiência, comprometimento e qualificação dos profissionais da unidade prisional de Carangola, que vem realizando um trabalho impecável na luta contra o crime. A interceptação além de dá prejuízo ao crime organizado, mostra que o sistema prisional está conseguindo se antecipar e interceptar qualquer ação de criminosos.

Em conversa com Agentes Penitenciários, todos frisaram a importância do trabalho da Diretora Geral Drª. Ellen Leal, que dá autonomia, confiança e respeito ao trabalho dos agentes penitenciários, consequentemente isso reflete em um trabalho eficiente, principalmente porque o companheirismo é a maior arma dentro do presídio de Carangola.

O material apreendido foi encaminhado para a Policia Civil, que agora fará as investigações juntamente com a inteligência do Sistema Prisional.

O Presídio de Tupaciguara, no Triângulo Mineiro, inaugurou nessa quinta-feira, 10.08, um Núcleo de Saúde com capacidade para 30 atendimentos semanais. O espaço funcionará como uma Unidade Básica de Saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) e é composto por enfermaria, consultório médico e odontológico. A construção foi feita com recursos de prestação de pena pecuniária, e teve um custo total de 110 mil reais, além de contribuições de empresários e parceiros do município.

As salas são todas equipadas com materiais médicos e odontológicos fornecidos pela Secretaria de Estado de Administração Prisional (SEAP). Com a inauguração do Núcleo, não haverá mais a necessidade de escoltas de presos para o hospital da cidade, pois o atendimento e acompanhamento serão feitos na própria Unidade Prisional, o que gera uma economia considerável com transporte.

 

A Subsecretária de Administração Prisional, Emília Castilho, esteve na unidade prestigiando a inauguração. Para ela, o novo espaço humaniza a pena e mostra a força do trabalho conjunto da cidade. “O que vejo aqui hoje é um verdadeiro exercício da cidadania, uma entrega pequena que representa o trabalho de muitos. Em nome do Secretário da SEAP, Desembargador Francisco Kupidlowski, parabenizo o empenho dessa comunidade tão parceira, que enriquece o Sistema e traz esperança. Voltamos renovados para continuar o nosso trabalho”.

 

O projeto também conta com apoio da Prefeitura Municipal de Tupaciguara, que por meio do Programa de Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional (PNAISP) disponibilizará profissionais para realizar os atendimentos. Os poderes municipais que se inscrevem no PNAISP recebem uma verba de auxílio do SUS.

 

Segundo o prefeito de Tupaciguara, Tenente Carlos de Oliveira, só é possível atingir o objetivo de promover o bem comum, quando a comunidade se une. “Eu costumo dizer que o Poder Público não é algo suficiente, nem a iniciativa privada. Se tiver parcerias, planejamentos estratégicos, envolvendo todos os poderes, inclusive sociedade civil organizada, com certeza, os frutos serão colhidos. Nós como comunidade e governantes temos a obrigação de contribuir com a humanização do Sistema Prisional”.

 

Além do Núcleo, os recursos também foram utilizados para a construção da muralha frontal, recepção e portaria, sala de revista, duas guaritas, reforma da sala de atendimento psicossocial, aumento do muro do pátio de banho de sol e instalação de 240 metros de concertina. Seis presos trabalharam nas obras de melhorias.

O Diretor-geral do Presídio de Tupaciguara, Renê Oliveira, falou do seu objetivo, quando assumiu a unidade em 2014, que é unir a comunidade em prol do Sistema Prisional. “Sinto-me bastante feliz hoje, por ter conseguido realizar essas melhorias, que não seriam possíveis sem o apoio da SEAP, do CONSEP, do Poder Judiciário e tantos outros parceiros. Precisamos da ajuda da sociedade porque a violência está inserida nela também. Eu pedi a população da cidade para ajudar, e ela abraçou a causa comigo”.

Por Fernanda de Paula

Fotos: Gil Leonardi/Imprensa MG

Veja Vídeo abaixo

 

A poucos dias circulou o vídeo em que mostra o os Agentes Penitenciários do Grupo de Intervenção tático do Sistema Prisional de Santa Catarina atuando em um procedimento de rotina de busca ou revista em celas.

A reportagem de hoje dia 10/08/2017 do programa Hora 1 da Rede Globo mostrou novamente o procedimento de uso progressivo da força.

E o Secretário explicou a atuação necessária que o grupo praticou no momento.

O Secretário foi bem enfático e demostrando conhecimento.

Apesar que muitas das vezes a imprensa não estão colocando as palavras corretas em atitudes técnicas da segurança pública no Brasil.

Onde há necessidade de atuar com progressão da força em atitudes que levam em risco dos profissionais da segurança.

Sobre atitude do grupo tático de Santa Catarina, de agentes prisionais, agiram corretamente, uma vez que os mesmos são preparados p atitudes que saem da normalidade e do respeito às ordens dadas aos presos.

É visível que os presos não estavam acatando as ordens do grupo tático, desobedecendo, desacatando os agentes.

Que do mais agravante chegaram a se levantar e ir pra cima dos Agentes, procurando agredir os profissionais.

No qual se faz necessário o uso progressivo da força, usando equipamentos menos letais, para controlar a situação. Com uso: de gás de pimenta, é o bastão tonfa e disparos de munição calibre 12 menos letal própria para esses casos e ainda imobilizações.

Foi mostrado nas imagens a quantidade de armas artesanais (pequenas e de grande porte), similares a suços, facas e facões, que pode ser usado contra os Agentes Penitenciários.

E ainda vários aparelhos de celulares que esses equipamentos eletrônicos colocam em risco a vida dos profissionais da segurança pública fora dos presídios e comandando lá de dentro o tráfico de drogas, roubos e homicídios entre quadrilhas nas cidades.

Observa que nas armas artesanais as ampounhadura são feitas de panos dos próprios uniformes dos presos. Ou seja destruindo material fornecido pelo Estado.

O Sistema Prisional Brasileiro necessita de urgência de leis que impõe maior rigor aos presos, que praticam atos dentro dos presídios como foi mostrado aí no vídeo: pegos com celulares, fabricando armas, destruindo material do Estado, praticando agressão verbal e física contra os agentes penitenciários dentro das unidades.

Que os profissionais ali estão para manter a ordem e disciplina e atuar na ressocialização dos mesmos, dentre outras atribuições do cargo.

Tudo isso, apenas para as pessoas que não tem noção técnica do que se passa dentro dos presídios e também da imprensa.

Que ali não há violações dos direitos humanos, pois o grupo tático principalmente passa por vários cursos de como atuar no dia a dia.

Empregando as técnicas conforme a necessidade da ação.

Os mesmos mostraram estarem capacitados e treinados nessa ação em específico.

Parabéns aos Agentes Penitenciários de Santa Catarina.

Page 7 of 25

ACESSOS RÁPIDOS

                  

AMAF MG

AMAF MG
Associação Movimento Agentes Fortes de Minas Gerais

Presidente: Julio Costa

ÚLTIMOS POSTS

NEWSLETTER

Assine a newsletter da AMAF e receba em seu email as principais notícias do Sistema Prisional de Minas Gerais