POLICIAL

Rate this item
(0 votes)

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) realizou, na última quarta-feira (5), uma operação que resultou na prisão de oito pessoas que integravam uma organização criminosa suspeita de aplicar golpes em vários estados do país. Entre os golpes, estão fraude na venda de veículos e falso empréstimo. A operação recebeu o nome de "Simulation" e culminou na prisão de oito pessoas, além de duas conduções coercitivas e 13 mandados de busca e apreensão cumpridos. Estima-se que cerca de 100 pessoas foram lesadas, gerando um lucro de R$ 2 milhões para a quadrilha.

Entre os presos estão os irmãos Carlos Francisco Gomes, 40 anos; João Francisco Gomes, 45, e Marizan Francisco Gomes, 51. A esposa de João, Romária Flávia de Oliveira, 30, e a companheira de Carlos, Janaine Ferreira da Silva, 31, também foram presas, além de Elisson Euclides Braga, 32; Walter Sérgio Matos da Silva, 45, e Jakeline Aparecida Pereira, 32. Foram conduzidos coercitivamente Eduardo Silva do nascimento, conhecido como Dudu, 38, e Emerson Ribeiro da Silva, 41. Uma mulher ainda está foragida.

O Superintendente de Investigação e Polícia Judiciária (SIPJ), Delegado-Geral Márcio Lobato, contou o que foi apurado pelas investigações. "As apurações começaram há cerca de cinco meses quando uma das vítimas nos procurou para relatar que tinha caído em um golpe. Eles cometiam dois tipos de golpe. O primeiro era a falsa venda de veículos. Os suspeitos anunciavam o veículo em um site de vendas, o interessado entrava em contato com o vendedor e ele contava uma história - de que já tinha pagado 48 prestações e que ainda faltavam 12, mas que o banco tinha recolhido o carro e que teria feito um acordo para pagar um valor bem abaixo do que ele devia, mas que esse pagamento deveria ser feito em um prazo curto - justamente para não dar tempo de a pessoa conseguir descobrir o golpe. O vendedor passava o telefone de uma empresa e o atendente confirmava a veracidade das informações e emitia um boleto para que a pessoa efetuasse o pagamento. O dinheiro caía na conta de um 'laranja' e depois ele dividia o dinheiro", destacou. "Eles chegavam a vender o mesmo carro cinco vezes em uma mesma semana", completou.

A segunda modalidade de golpe era o falso empréstimo. A quadrilha oferecia, na internet e em jornais, empréstimos para pessoas com o nome negativado e, para se concretizar o negócio, a vítima teria que depositar a quantia de 10% do valor do empréstimo a título de seguro. E como de costume, após o deposito desse seguro, os criminosos não mais atendia ao telefone.

De acordo com o Chefe do Departamento de Fraudes, Rodrigo Bossi, as investigações continuam. "Vamos dar continuidade à operação e o nosso objetivo agora é descapitalizar a organização criminosa, pois eles faziam diversas viagens, faziam muitas festas e esbanjavam dinheiro", ressaltou.

O delegado Daniel Buchmüller, responsável pelas investigações, discorreu sobre o trabalho desempenhado pela equipe. "Foram oitos presos: cinco por prisão preventiva e três por temporária. Eles confessaram a participação nos golpes, mas não deram detalhes. Disseram que estavam desempregados e por isso se envolveram no crime. Essa era uma quadrilha extremamente organizada e que agia em diversos estados do país, como Brasília, Tocantins, Paraná, Rio Grande do Sul, entre outros", destacou.

As investigações continuam no intuito de prender a suspeita que está foragida e identificar outros envolvidos.

Rate this item
(0 votes)

 

 

História

Em 1920, foi inaugurado em  São Paulo, o maior complexo presidiário da América Latina, a Casa de Detenção (Carandiru). Naquela época, o médico psiquiatra do presídio, Moraes Mello, resolve por conta própria criar uma seção de criminologia catalogando as tatuagens dos presos, seus desenhos e significados e acaba se apaixonando por um tema que viria a se tornar fixação na sua vida: as tatuagens dos presidiários. É claro que com o passar dos tempos algumas tatuagens caíram em desusos ou adquiriram outros significados. Contudo, não fugindo a regra do passado, as atuais tatuagens de cadeia  delatam no mesmo sentido os traços da personalidade do criminoso.

 

 

INFORMAÇÕES EXTRAÍDAS DE UMA TATUAGEM DE CADEIA

Se já esteve preso. Se é um foragido da justiça. O crime que cometeu. Seu grau de periculosidade. Preferência sexual Especialidade no mundo do crime.

No sistema prisional  brasileiro ou  de qualquer país, os detentos se tatuam para mostrar a facção  á qual pertencem, os crimes que cometeram. As  tatuagens  não são feitas para enfeitar ninguém, elas revelam  quem  é  o  preso,  o crime que praticou  e  o que se deve sentir por eles, seja medo, ódio ou desprezo. Na verdade, as tatuagens de cadeia são uma forma de  comunicação  dos  presos em assuntos que não gostam  de  comentar  e  só  quem  está integrado a esse “meio marginal” flagra tais  informações.

 As tatuagens dentro dos presídios são realizadas sem um mínimo de cuidado com a saúde e higiene, e com riscos de  contaminação  pela AIDS e  hepatite. Nas penitenciárias brasileiras, os  presos “detentuadores” constroem seus  próprios  instrumentos de tatuagem. As  engenhocas   são   fabricadas   de    forma  artesanal,  com a utilização de prego, pedaço de arame, clips, agulhas, madeira etc., e para dar cor aos traços, utilizam as tintas de caneta esferográfica comum:  verde, azul, preta e vermelha.

 

80 ANOS ATRÁS

MUSEU DA TATUAGEM DE CADEIA/SP

 

 

Rate this item
(0 votes)

Um assaltante identificado como Diego Monge, de 21 anos, conseguiu escapar da unidade de carceragem do Fórum de Várzea Grande nesta terça-feira (20). Ele teria entrado em luta corporal com um agente penitenciário e conseguido render o servidor.

De acordo com informações, o criminoso teria saído da cadeia para participar de uma audiência no Fórum de Várzea Grande, na região metropolitana de Cuiabá. A Polícia Militar estaria utilizando até um helicóptero para tentar localizar o fugitivo da justiça, porém, as buscas ainda não o teriam localizado. 

Diego Monge seria morador do bairro São Mateus, em Várzea Grande, e é alvo de inquérito na Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) por assaltos cometidos no município. Ele está preso desde 2014.  

A Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) afirmou em nota que irá instaurar um procedimento administrativo para apurar o incidente.

Confira abaixo a nota na íntegra.

"A Secretaria de Justiça e Direitos Humanos informa que abrirá investigação interna para apurar as circunstâncias de fuga do preso Diego Monge Souza Lemes, 21 anos, ocorrida nesta quarta-feira (20.06) no Fórum de Várzea Grande. Diego aproveitou o momento em que os agentes penitenciários recolhiam para a carceragem do Fórum outro preso e fugiu algemado.

Diego estava preso na Penitenciária Central do Estado, em Cuiabá, comarca na qual cumpre a uma condenação por roubo qualificado. Ele foi encaminhado ao fórum da cidade vizinha para uma audiência em um processo que responde também por roubo".

Rate this item
(0 votes)

Populares conseguiram impedir, que um rapaz de 20 anos fugisse após tentar assaltar um posto de combustíveis na noite desta segunda-feira (27), no bairro Aeroporto em Três Pontas.

De acordo com a Polícia Militar, Tarcísio Furtado de Mendonça Filho o “Tarcisinho”, chegou no posto que fica no alto da Avenida Ipiranga, usando boné e capacete, com uma camiseta por cima da blusa de frio, short sobre a calça jeans. Ele se aproximou do frentista pelas costas apontando uma faca de cozinha e quando o funcionário virou bruscamente, o criminoso desferiu um golpe em seu braço esquerdo.

Alguns populares que estavam no posto viram a ação, inclusive um agente penitenciário e impediram o assalto. Eles conseguiram imobilizar Tarcisinho, até a chegada da viatura da PM. O assaltante disse aos militares que teria sido agredido com chutes e socos, porém, não sofreu ferimentos. O frentista foi socorrido ao PAM e Tarcisinho preso e encaminhado à Delegacia de Polícia Civil onde foi ratificado o flagrante.

Tarcisinho tem diversas passagens pela polícia por furto, roubo e tráfico de drogas e estava preso no Presídio de Três Pontas. Ele recebeu alvará de soltura a menos de um mês.

Bone, capacete e faca utilizados na tentativa de assalto
Tarcisinho quando foi preso em maio de 2015 – Foto: Arquivo EP

Tarcisinho estava preso a dois anos

Em maio de 2015, Tarcísio Furtado de Mendonça Júnior tinha 18 anos foi preso durante no bairro Santa Margarida, acusado de tráfico de drogas. Uma viatura que fazia patrulhamento pelo bairro, desconfiou dele e de um outro jovem que estavam em frente ao portão da Cooperativa, na Avenida Urbano Garcia Figueiredo Neto. Eles foram encontrados com duas buchas de maconha, celular e dinheiro. Como havia denúncias que eles estariam traficando, os militares foram até a casa do comparsa de Tarcisinho na Rua Ceará e encontrou  50 pedras de crack, uma bucha de maconha, farelo de crack em um saco plástico e várias embalagens plásticas

Rate this item
(0 votes)

A intenção é evitar que a crise espalhada pelos presídios do país se instale na região.

 

A Operação “sem maldade- fase1” da Polícia Civil resultou na prisão de 15 pessoas e diversos materiais apreendidos após vários dias de investigação. Mulheres eram arregimentadas para levar os materiais em suas partes íntimas para dentro da Penitenciária Nossa Senhora do Carmo. Mais pessoas devem ser presas. A intenção é evitar que a crise espalhada pelos presídios do país se instale na região. O nome da operação se baseou nos relatos das mulheres que diziam estar apenas ajudando os familiares.

De acordo com informações da Polícia Civil, a operação teve o objetivo de combater o tráfico de drogas e à entrada de aparelhos celulares no complexo penitenciário de Carmo do Paranaíba. Após cerca de dois meses, utilizando-se de técnicas de investigação e inteligência policial, foram cumpridos mandados de prisão e de busca e apreensão, que resultaram na prisão de 15 pessoas e apreensão de drogas, diversos aparelhos celulares e aproximadamente R$ 3.000,00 em dinheiro e cheques, além de um táxi.

O esquema criminoso era comandado de dentro do presídio, através de ligações que os detentos faziam para as esposas, namoradas e outras pessoas, que quando não entravam com os produtos ilícitos por si próprias, agenciavam outras mulheres, de Patos de Minas, para a entrega. Entre os presos temos os seguintes presidiários, a maioria prestes ou já usufruindo de benefícios, como saídas temporárias e progressão de regime, os quais agora serão cancelados:

C.H.B.P, 21 anos, passagens por furto, roubo, uso e tráfico de drogas e lesão corporal;

J.A.T.S, 35 anos, passagens por roubo, tráfico de drogas e lesão corporal;

M.S.V.T, 45 anos, passagens por furto e homicídio;

R.O.A, 32 anos, passagens por tráfico, furto, receptação, porte ilegal de armas, homicídio;

R.R.P, 36 anos, passagens por tráfico de drogas e porte ilegal de armas;

V.A.S.R, 20 anos; passagens por roubo, furto, tráfico de drogas e homicídio;

W.C.H.S, 25 anos, passagens por furto, roubo, tráfico, porte ilegal de armas e homicídio;

W.T.N, 38 anos, passagens por tráfico, furto, porte ilegal de armas e lesão corporal.

Foram presas também quatro mulheres, que transportavam e/ou financiavam a entrada dos materiais na unidade prisional, via de regra, escondidos em suas partes íntimas:

V.N.S, 44 anos, sem passagens relevantes;

F.D.E.T, 27 anos, passagens por tráfico de drogas e homicídio;

C.L.S.A, 44 anos, sem passagens relevantes;

V.T.M.N, 42 anos, sem passagens relevantes.

Ainda, foram presos C.B.R.L, de 25 anos e C.T.B.J, de 21 anos, que forneciam as drogas que alimentavam o esquema, e M.V.C, 30 anos, que utilizava seu táxi para transportar pessoas e materiais de Patos de Minas para Carmo do Paranaíba.

A operação, denominada “Sem Maldade – fase 1” foi batizada devido ao jargão muito utilizado por uma das investigadas, e pelo fato de que a maioria delas afirmaram, nos depoimentos, cometer os crimes com o único objetivo de ajudar seus familiares e amigos que estão presos.

Essa primeira fase da operação deixou claro que se trata apenas da “ponta do iceberg”, e inúmeras prisões ainda serão efetuadas nos próximos dias. As diligências continuam no intuito de identificar e levar à justiça outras pessoas que colaboram para que o sistema penitenciário em nosso país esteja enfrentando tamanha crise.

FONTE: PATOS HOJE

Rate this item
(1 Vote)

Adolescente de 16 anos estava com o homem e também foi detido; foram apreendidos dois celulares, R$ 1.640, maconha e cocaína.

Um agente penitenciário foi preso no centro de Belo Horizonte, suspeito de tráfico de drogas, nessa quinta-feira (8). Um adolescente de 16 anos, que estava com o homem, também foi detido.

A Polícia Militar (PM) em patrulha na praça Sete foi informada de que uma dupla estava comercializando drogas no local e recebeu as características dos suspeitos. Os homens foram vistos conversando e, quando perceberam que estavam sendo monitorados, se separaram, mas foram alcançados pelos policiais.

Em revista, os militares encontraram com o adolescente R$ 1.100, que seriam usados para quitar uma dívida que ele tem com o homem de 43 anos. Já com o agente, os policiais encontraram uma sacola com duas porções de maconha, uma porção de cocaína, dois maços de papel de seda, dois celulares lacrados com fita crepe e R$ 540. O homem alegou ter comprado o material no bairro onde mora, em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte. A dupla foi encaminhada para delegacia.

De acordo com o assessoria de comunicação da Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), como o servidor foi preso no momento em que não exercia o seu trabalho, ele responderá por uma investigação criminal feita pela Polícia Civil. Caso seja considerado culpado, ele também será submetido ao processo administrativo.

Fonte: O TEMPO

Rate this item
(1 Vote)
Uma Mega Operação contra o crime foi realizada na cidade de Formiga.

Veja o Vídeo da Operação.
 


Como mais de 125 Agentes da Segurança Publica, entre Policiais Militares, Policiais Civis, e Agentes Penitenciários. Reunindo no Park de Exposições. As Equipes se dividiram em mais de 37 Viaturas nos Bairros de Formiga.

A operação é resultado de mais de 6 Meses de Investigação do GAECO – Grupo de de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado.

Em Formiga 26 Pessoas foram presas. Que fazem parte de uma quadrilha organizada na cidade de Formiga e região. Onde a Droga vinha de São Paulo. Para venda no centro Oeste de Minas.

O Chefe da Organização foi preso em Paulínia/SP na semana passada.

Segundo o GAECO, membro do crime organizado que já estavam presos controlavam tudo de dentro da Unidade Prisional. Na Investigação, foi comprovada a ligação da quadrilha com o PCC, Primeiro Comando da Capital.

Policia Civil e Militares do Estado de São Paulo Participaram da operação.
Veja o Vídeo da Operação.

A AMAFMG parabeniza os Agentes Penitenciários de Formiga, pelo belo trabalho na operação conjunta. E também ao Seu Diretor Geral da Penitenciaria da Cidade, o Agente Penitenciário Sergio. Este no qual sempre buscou a valorização dos Colegas Agentes, servido de exemplo como Gestor.

Parabéns as Forcas de Segurança Publica, e de todos envolvidos nessa Operação.

Associação do Movimento dos Agentes Fortes de Minas Gerais. – AMAFMG.
Unidos Somos Mais Fortes
www.amafmg.com.br
 

 

Rate this item
(0 votes)

Um menor foi baleado durante uma troca de tiros com o diretor do presídio de Passos (MG) na noite desta segunda-feira (21). De acordo com a Polícia Militar, o diretor, Celso Izidoro, estava entrando no carro quando foi alvo de uma tentativa de assalto que resultou na ação no bairro Jardim Panorama.

Ainda conforme os militares, Izidoro percebeu a aproximação de duas pessoas, uma delas armada e deitou no banco, ouvindo um tiro na sequência. O diretor então teria revidado com cinco tiros enquanto os homens também disparavam. Os suspeitos fugiram na sequência.

No carro do diretor, foram encontradas nove marcas de balas. Um muro da casa também foi atingido. Izidoro acionou o socorro e foi levado para o Hospital São José com pequenas escoriações no olho direito. A arma utilizada por ele foi apreendida.

Já o menor foi localizado na Santa Casa da cidade, com ferimentos pelo corpo causados pelos tiros. Segundo a PM, após ser abordado, ele confessou que iria roubar a caminhonete junto com um comparsa e que a intenção era matar a vítima. Ele foi apreendido e permanece internado no hospital sob escolta policial. Até esta publicação, o outro homem não havia sido localizado.

 

ACESSOS RÁPIDOS

                  

AMAF MG

AMAF MG
Associação Movimento Agentes Fortes de Minas Gerais

Presidente: Julio Costa

ÚLTIMOS POSTS

NEWSLETTER

Assine a newsletter da AMAF e receba em seu email as principais notícias do Sistema Prisional de Minas Gerais