O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) recomendou que a Polícia Civil do DF recolha todas as armas fornecidas para a corporação pela empresa Forja Taurus S/A, em contrato firmado em 2014. O prazo dado é de 9 meses. Segundo denúncia oferecida pelo órgão, falhas no sistema de segurança dos armamentos produzidos pela empresa gaúcha coloca agentes públicos de segurança e a população em risco. Com base em laudos do Instituto de Criminalística do DF e em diversas ocorrências de panes, o MPDFT concluiu que as armas não estão aptas para serem usadas no combate ao crime. Por isso, o órgão cobra da Taurus, na Justiça, uma indenização total de R$ 11.656.223,90 (R$ 10 milhões apenas em danos coletivos).

Os promotores do Núcleo de Investigação e Controle Externo da Atividade Policial (Ncap) e da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e Social do DF (Prodep) pedem, além da condenação da Taurus, a punição criminal a seis executivos da empresa no período do contrato (leia Punições). Os delitos estão previstos na Lei nº 8137/90. A ação tramita na 8ª Vara Criminal de Brasília. A denúncia trata do Contrato nº 42/2014, pelo qual foram adquiridas 750 pistolas calibre 40, sendo 100 do modelo PT 100 Plus; 250 do tipo PT 24/7 PRO DS; e 400 PT 640 SA/DA, ao custo de R$ 1,6 milhão, em abril de 2014. No papel, todos os modelos deveriam contar com sistema de segurança que impedisse disparos acidentais. As armas, no entanto, apresentaram diversos problemas. Além disso, laudos comprovaram que o sistema não funcionava de maneira eficaz, principalmente nas PT 24/7.

O sistema de segurança é fundamental para impedir que as armas disparem em caso de queda, ou seja, precisa garantir que o disparo ocorra apenas quando o gatilho for puxado intencionalmente. Para o MPDFT, a Taurus estipulou, em contrato, que as armas negociadas com a PCDF contavam com o sistema de segurança “apenas e tão somente como subterfúgio para assegurar a venda e obter lucro, às expensas do erário do Governo do Distrito Federal”. “É inadmissível concordar que a arma produzida e fornecida ao Estado apresente o risco concreto de disparos acidentais, colocando em perigo o policial e a população ao seu redor”, diz um trecho da denúncia, obtida com exclusividade pelo Correio.

Além dos laudos produzidos pelo Instituto de Criminalística, o MPDFT usa como base ocorrências registradas no DF e em outras unidades da Federação. Uma imagem feita pelos peritos mostra a arma disparando acidentalmente ao cair. “É possível imaginar a mesma pistola fotografada pelos peritos caindo no chão de um shopping, de um restaurante ou, quiçá, de uma escola. Vidas estão em risco!”, reforça a denúncia.

Denúncia - Confira trechos do trabalho feito pelo Ministério Público do DF e Territórios:
Denúncia - Confira trechos do trabalho feito pelo Ministério Público do DF e Territórios:

 

Acidentes

 
Ocorrências no DF com armas defeituosas da Taurus aconteceram mesmo antes do contrato de 2014. Entre 2005 e 2016, foram registrados 13 casos de falhas do modelo PT 24/7. Alguns deles feriram policiais e ofereceram riscos à população, pois aconteceram em locais de grande circulação. A denúncia também registra cinco situações semelhantes no Brasil entre 2005 e 2015.

No primeiro caso do DF apresentado na denúncia, em 2005, um agente da Polícia Civil deixou a pistola Taurus cair no chão do apartamento dele na Asa Sul. A queda fez com que a arma disparasse — o tiro atingiu a orelha do agente. A denúncia relata outro caso em que o armamento de um agente da Polícia Civil, em 2008, também disparou ao bater no solo. O incidente ocorreu nas proximidades do restaurante Xique-Xique, na 707 Norte, e “por sorte, não atingiu ninguém”.

Em 2015, outro agente comunicou que a pistola Taurus disparou, sem qualquer acionamento, quando ele retirava entulho de uma via de Taguatinga. O tiro atingiu a perna direita dele e causou hematomas. Outro policial civil também teve a perna direita ferida, em 2015, perto de uma estação do metrô, em Samambaia. Na denúncia, a MPDFT também cita casos na PM. Em 2016, um sargento da corporação foi atingido no braço, no ombro e na mão depois de a pistola Taurus também cair ao chão e disparar sem o gatilho ser acionado.
 

Nova compra

 
Por causa das falhas, a Polícia Civil do Distrito Federal promove uma licitação internacional para a compra de 3 mil armas. O processo recebeu autorização do Exército e deve ser concluído até o fim do ano.

O Correio tentou contato, por diversos números de telefone e por e-mail, com representantes da Taurus. Até o fechamento desta edição a empresa não respondeu às ligações e às mensagens.

Modelo de pistola Taurus: falhas no sistema de segurança do armamento foram registradas no DF antes mesmo do contrato firmado em 2014 (foto: Ricardo Borba/CB/D.A Press )
Modelo de pistola Taurus: falhas no sistema de segurança do armamento foram registradas no DF antes mesmo do contrato firmado em 2014(foto: Ricardo Borba/CB/D.A Press )


Punições

O MPDFT pediu que quatro medidas fossem tomadas contra a Taurus. Confira:
 
Ressarcimento
No entendimento do MPDFT, todo o valor gasto com a compra de armas que não satisfazem ao que estava previsto em contrato tem de ser devolvido pela Taurus. O investimento da Polícia Civil do DF no negócio foi de cerca de R$ 1,6 milhão
 
Dano moral coletivo
Além disso, o MPDFT concluiu que a conduta da empresa colocou em riscos agentes públicos de segurança e a população do Distrito Federal. Por isso, solicita também que seja cobrado dano moral coletivo no valor de R$ 10 milhões
 
Suspensão de licitação
O MPDFT requer também, na denúncia, que a Taurus fique, ao fim da ação, suspensa de participar de licitações e impedida de contratar com a administração pública por dois anos
 
Bloqueio de valores
Para garantir que, ao término do processo, os valores sejam, de fato, pagos pela empresa, o MPDFT solicita que seja feito o bloqueio do valor total da indenização — R$ 11.656.223,90 — nas contas bancárias da Taurus

13
Total de acidentes com pistolas da Taurus registrados no DF entre 2005 e 2016
 
R$ 1,6 milhão
Valor pago pela Polícia Civil 
do DF para comprar 
750 pistolas da Taurus
Rate this item
(0 votes)

Após a Associação AMAFMG, ser procurada por Agentes Penitenciários, informando de ameaças sofridas, a mesma tomou devidas providencias objetivando dar proteção aos mesmos.


Ao Apurar e ouvir vários agentes, a AMAFMG foi informada que alguns agentes tiveram seus nomes citados por criminosos como alvos.

Segundo Informações a Direção da Unidade repassou a cada ASP individualmente, devido ter recebido as informações pelo GAECO da cidade de Uberlândia.


Nos últimos dias o ônibus que transporta os funcionários da Penitenciaria de Patrocínio, esta sendo escoltado pela Policia Militar.

Com vistas de garantir a defesa e proteção dos Agentes ameaçados principalmente, a AMAFMG solicitou a SEAP o acautelamento de Armas, Coletes e Munições aos mesmos e levou ao conhecimento da Secretaria.

Nesse Encontro da Presidência da AMAFMG e senhor chefe de Gabinete da SEAP Coronel Marcelo Vladimir foi apresentado outras pautas do Sistema Prisional, bem como da 10ª Risp.

Nossos Agradecimentos ao Prezado Coronel Vladimir, empenhado em atender a categoria.

Registra aqui nossos agradecimentos pelo apoio e empenho da Policia Militar de Minas Gerais.

 

AMAFMG
Associação Movimento dos Agentes Fortes de Minas Gerais

Unidos Somos Mais Fortes

Julio Costa

 

 

Rate this item
(0 votes)



Bolsonaro e AMAFMG

Em visita a Belo Horizonte na data de 10/05 o pré candidato a presidência do Brasil deputado Federal Jair Bolsonaro se reuniu com várias lideranças.

A Associação AMAF MG convidada contou com a presença de seu presidente Júlio Costa e membros da Diretoria da Associação.

Em determinado momento no encontro, Bolsonaro falou sobre o Sistema Prisional, deixou sua opinião a respeito de algumas medidas a serem tomadas caso seja presidente.

...Não queremos maltratar ninguém...mais se depender de mim preso vai passar até apenas um direito, de não ter direito...

continuou.

Na oportunidade a AMAF MG demostrou o apoio da segurança pública de MG ao Bolsonaro.

E que estará deslocando a Brasília para próximos encontros.

O qual em Minas Gerais na capital mineira terá um mega encontro da AMAFMG , Exército Brasileiro, e todas forças de Seguranca pública com Bolsonaro. Aguardem.

Assista o vídeo e veja a matéria completa.

 

Link:
www.amafmg.com.br

AMAFMG
Associação Movimento dos Agentes Fortes de Minas Gerais

Unidos Somos Mais Fortes

Julio Costa

Rate this item
(0 votes)

Julio Costa AMAFMG – Reunião em Batalha pelo os Agentes Contratados e Concurso ASP 2018.



No ultimo dia 04/05 e na data de 09/05 novamente Julio Costa em reunião na Cidade Administrativa e Casa Civil tratando de diversas demandas que estão paradas e que são de caráter emergencial.

Nesse vídeo gravado pelo Presidente da Associação AMAFMG o mesmo vem orientando, vem sendo persistente quanto as RESCISÕES DE CONTRATO dos Agentes Penitenciários.

Desde o final do ano de 2015 foram várias reuniões e batalhas para que não fossem demitidos os Agentes Penitenciários Julio Costa esteve em várias reuniões com o Ministério Público quanto a essa atitude ligada ao que deveria ter sido feito também juntamente então que é a abertura do CONCURSO para Agente Penitenciário.

E que isso era questão de tempo caso não tomassem providencias rapidamente, devido às rescisões de contrato estar acontecendo, a não abertura do CONCURSO, e a SEAP realizando a assunção de cadeias que estavam nas mãos da Policia Civil.

Desse modo, esses órgãos iniciaram seus trabalhos com o Governo, meados do final de 2017 até seu final. Foram feitas varias reuniões até mesmo com o TJMG, para que fosse feito o acordón. E assim se definiu para abertura do certame.

Porém chegamos no mês 05 (maio) e nada aconteceu. A Associação AMAFMG foi tolerante e aguardou.

O que aconteceu?

O sistema esta em colapso: Falta de mão de obra, Fugas, princípios de motins, numero de atestados médicos aumentando, cada dia mais superlotado as Unidades, assim por diante. Não adianta querer esconder. No vídeo gravado Julio Costa em suas palavras disse. Falta de avisar não foi.

Nesse sentido esta cogitado realizar PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO TEMPORARIA DE AGENTES.

Pois bem, a AMAFMG não (grifa-se) é a favor de contrato no Sistema Prisional, é a favor da efetivação por meio de Concurso e é a única que esta desde 2016 lutando diariamente para esse certame.

Atenção:

Porém (grifa-se), na situação que o Sistema Prisional se encontra em emergência, por falta de mão de obra, somos a favor de que mantenha os contratos ainda vigentes e que pela necessidade realize essa contratação, dando oportunidade para os EX-Agentes, que tiveram seus contratos reincididos. Reforçamos para que isso ocorra que abra o Concurso juntamente.

Vale Salientar que nessas visitas na cidade Administrativa, Júlio Costa também em vários outros setores demandou outras pautas de caráter de Emergência como:

Crime Organizado nas Unidades Prisionais de MG;

Cautela de Arma, munições e coletes para agentes com seus nomes ameaçados;

Regulamentação Calibre Restrito;

Diretores atuantes em Unidades Prisionais sem Nomeação ao cargo;

Carga Horária;

Algumas Unidades: Prevaricação, Assedio Moral, abuso de poder, Banco de Horas, improbidade administrativa, desvios de função, desvio de finalidade, investigação/Resultado/legalidade.

A nossa Mensagem ao Sistema Prisional da AMAFMG, é que a classe busque a união, que não deixe de lutar. Agentes estão se adoecendo, sem efetivo, sem carga horária, por perseguição, assédios, sucateamento, atraso de salários, superlotação, omissão, prevaricação, dentre outros.

Sabemos que Unidos Somos Mais Fortes.

Iremos continuar lutando na legalidade, transparência, coletividade, venha junta-se a nós traga sua demanda. Iremos juntos buscar solução.

Sistema Prisional não esta sozinho. Não apoiamos e nem pactuamos com ilegalidades, covardias, individualismo, isso nós combatemos e mostramos.

AMAFMG
Associação Movimento dos Agentes Fortes de Minas Gerais
Unidos Somos Mais Fortes
www.amafmg.com.br
Julio Costa

Primeira comemoração do Dia do Trabalho após a entrada em vigor da reforma trabalhista terá menos atrações, um efeito direto das condições financeiras dos sindicatos; Força Sindical investiu R$ 500 mil a menos em seu evento em São Paulo.

Primeiro de maio
Funcionários montavam ontem o palco da Força Foto: Felipe Rau/Estadao

 

Na primeira comemoração do Dia do Trabalho após a entrada em vigor da nova legislação trabalhista, a festa encolheu, um efeito principalmente do fim da contribuição sindical obrigatória. O evento que tradicionalmente reúne o maior público na data, realizado pela Força Sindical em São Paulo, perdeu R$ 500 mil em investimento. Na festa anterior foram gastos R$ 2,5 milhões, valor que, na média, vinha sendo mantido havia alguns anos.

 “Os sindicatos, que também bancam parte da festa, estão sem condições financeiras”, justificou o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna. Este ano, o número de carros a serem sorteados, um dos grandes atrativos do evento que já chegou a ter público de mais de 1 milhão de pessoas, também diminuiu, e haverá menos “estrelas” se apresentando no palco hoje.

A Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) também sentiu a mudança de cenário. Depois de ter feito uma festa grandiosa no Sambódromo de São Paulo no ano passado, com cantores como Emicida e Fernando & Sorocaba, a central não programou evento para hoje. “A ideia era repetir o formato (da comemoração), mas a reforma afetou nossa estrutura”, disse Álvaro Egea, secretário-geral da CSB.

A Central Única dos Trabalhadores (CUT), que costuma fazer atos mais modestos, vai focar seus eventos pelo Brasil na defesa da liberdade do ex-presidente Lula, condenado e preso na Operação Lava Jato. A central programou atos em diversas cidades – em São Paulo será na Praça da República, a partir das 12h. O principal ato deste ano será em Curitiba, onde Lula está preso desde 7 de abril (leia mais na página A9).

A reforma trabalhista deve ser o principal alvo das críticas econômicas dos sindicatos nos eventos de hoje. “Ao contrário do que prometiam seus defensores, a reforma não reduziu a insegurança jurídica, ao contrário, aumentou; também não está gerando empregos e nem modernizou as relações trabalhistas”, afirma Álvaro Egea, secretário-geral da CSB.

Para Ricardo Patah, presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), “a reforma é mentirosa e criminosa”. A entidade este ano focou suas ações em um seminário sobre a indústria 4.0 e o emprego do futuro e em um debate com candidatos à presidência da República.

Na opinião do pesquisador em economia do trabalho do Ibre/FGV, Tiago Barreira, porém, também há insegurança jurídica por parte das empresas diante de ações na Justiça promovida por sindicatos para manter o imposto sindical aprovado em assembleias. E ressalta que o fim da contribuição obrigatória também afeta os sindicatos patronais. “As entidades precisam buscar fontes alternativas de receita.”

Atrações. No ano passado, a Força Sindical sorteou 17 modelos Hyundai HB20 (que no mercado custa R$ 44 mil) ao público que foi à Praça Campo de Bagatelle, na zona Norte de São Paulo. Hoje, serão 15. O grandioso palco para receber artistas, políticos e sindicalistas está 20% menor. Entre os políticos, devem estar presentes o presidente do Câmara, Rodrigo Maia, o governador Márcio França e o prefeito Bruno Covas. Entre os cantores a se apresentar estarão Leonardo e a dupla Simone & Simaria. 

Juruna acredita em um público de 500 mil pessoas, ante as cerca de 700 mil em 2017. Em anos anteriores a Força chegou a atrair mais de um milhão de pessoas. Segundo ele, todos os candidatos à presidência foram convidados – “exceto Bolsonaro, pois o discurso dele não é bem vindo no meio dos trabalhadores”. Segundo ele, boa parte dos custos da festa é bancada por patrocinadores como a Caixa Econômica Federal e a montadora Hyundai.


A AMAFMG é contra a contribuição obrigatória em parcela única anual de todos os trabalhadores da determinada categoria.

Tudo isso, devido que é visível o não retorno aplicável do recolhimento na própria categoria. Há um comodismo por parte dos sindicatos, que não tem como objetivo a filiação dos funcionários, até porque tinham a garantia desse valor todo ano.

Independente se o servidor queria ou não contribuir.

Com o fim da contribuição, sindicatos deverão agora realmente mostrarem o porque quiseram montar suas chapas e representar suas categorias. Viver de fundos de filiações, que para isso deverão atuar na busca de convênios para a categoria, atraindo filiados, sem dizer a verdadeira representação classistas.


A maioria dos sindicatos usavam esse dinheiro para promover festas comemorativas do dia do trabalho em locais públicos ou privados, custeando viagens, bens e lazeres diversos das chapas eleitas.

Sem dizer o grande interesse que varias pessoas tinham em montar chapas p assumirem os sindicatos.

Será que agora, os que estão vão querer continuar ? E aqueles que tentaram com suas chapas, vão ainda querer concorrer às eleições sem a contribuição?

Vale saber que grupos a anos dentro de sindicatos, fraudavam eleições, ou datas, ou não divulgavam a data das eleições com medo de perder a "bocada".

Estranho né!!!

Porém agora acabou.

Como mostra no link, as festas bancadas pelos sindicatos, automaticamente com o dinheiro de contribuição dos seus servidores não são as mesmas, arregadas.

A AMAFMG é contra a contribuição.

Se querem sindicalizar, representar mostre trabalho, lutem pela categoria, forneçam benefícios paras mesmas.

 

O Ministério Extraordinário da Segurança Pública fará mutirão em parceria com as Defensorias Públicas dos Estados e da União. O objetivo é diminuir a superlotação nos presídios.Assim, presos provisórios por crimes não hediondos ou equiparados podem ser soltos, enquanto condenados podem receber benefício de progressão de pena. A ação, divulgada nesta terça-feira, 24, deve começar pelo Ceará, em junho, onde dois terços da população carcerária é formada por presos provisórios. 
 
Até 50 mil detentos devem ter processos analisados, cerca de 7% da população carcerária do País. A proposta foi apresentada pelo Colégio Nacional de Defensores Públicos Gerais (Condege) e aprovada pelo ministro Raul Jungmann. 
 
Presos provisórios há mais de seis meses por crimes não hediondos e equiparados terão casos analisados. Defensores vão peticionar a liberdade. Eles pedirão progressão de pena dos condenados que têm direito ao benefício. 
 
"É melhor colocá-los no semi-aberto, com tornozeleiras ou penas alternativas do que jogar esses jovens na mão do crime organizado, de onde eles jamais sairão", aponta Jungmann.
 
Defensora pública geral do Estado, Mariana Lobo destacou que a população carcerária do Ceará tem média de 66% de presos provisórios, enquanto no Brasil a média é de 40%. Os números são do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen). O sistema prisional cearense tem ainda a segunda taxa mais elevada de superlotação, com 309%.
 
"É uma ação de interesse da sociedade. Grupo de 45 defensores públicos de várias partes do País vão compor o mutirão, junto a defensores locais. Ao todo, equipe de 65 profissionais devem analisar os casos desses detentos(condenados que tenham direito a progressão de regime e presos provisórios há mais de 180 dias por crimes não hediondos ou equiparados)", explicou Mariana, reforçando que o intuito é reduzir a população carcerária.
 
No País 
Depois do Ceará, Goiás e Pará devem receber o mutirão, em agosto e setembro, segundo o cronograma apresentado pelos defensores. A iniciativa deve seguir até dezembro. 
 
“Nesses três estados faremos um esforço muito grande para contribuir para a melhora do sistema prisional”, disse o vice-presidente do Condege, André Castro. Segundo ele, o calendário deverá ser estendido para outros estados, conforme avaliação técnica que será realizada pela defensoria pública em parceria com o Departamento Penitenciário Nacional (Depen). 
 
“Hoje, temos uma superpopulação carcerária, que transforma os nossos presídios em arenas de conflitos, que terminam em massacres. É preciso também que aqueles que já cumpriram a pena e poderiam estar fora venham a sair. Fazendo isso estamos reduzindo o deficit de vagas no sistema prisional e outros que tenham cometido crimes considerados hediondos poderão entrar”, defendeu Jungmann.
 
Nos últimos dois anos, o programa Defensoria sem Fronteiras do Condege fez mutirões nos estados do Amazonas, Roraima, Rondônia e Rio Grande do Norte. Em todos eles, após o mutirão, houve redução do número de presos. 
 
Relatórios
Jungmann pediu aos governadores de todos os estados um relatório sobre a situação dos presídios e da violência em cada estado. As unidades da federação que não repassarem os dados vão ficar sem receber recursos da União
 
“Não vamos passar dinheiro sem haver um compromisso dos estados. É o que chamamos de contrato de gestão. Queremos melhorias, redução dos índices de violência, de homicídios, melhores formação de profissionais”, diz o ministro.  
 

QUESTIONAMENTOS REAIS

"É melhor colocá-los no semi-aberto, com tornozeleiras ou penas alternativas do que jogar esses jovens na mão do crime organizado, de onde eles jamais sairão", aponta Jungmann.

 QUESTIONAMENTOS REAIS:

Nesse trecho o ministro demostrou não conhecer de segurança pública , do sistema prisional brasileiro.

O porque não MUDA as leis de Execução Penal?

O porque não para de oferecer regalias a presos em unidades prisionais, colaborando com a reicidencias. Acreditando na Ressocialização.?

É só fazer o levantamento de quantos presos se recuperaram, quando foram soltos em alguns Estados da última vez. Em multirao como esse.

E o que aconteceu com esses Estados?
Estão super lotados novamente.
Quem paga as regalias são o povo brasileiro.

O porque então com receio de que os JOVENS como o ministro menciou ir para as mãos do crime organizado no interior das unidades prisional, ele não propõe mudança imediata nas leis para tratamento diferenciado ao preso que não quer receber o processo de ressocialização, ou seja aquele que se batizou ao crime organizado ou facções.? Porque não faz isso.?

Esse preso de facções ou organização criminosas, ele diretamente coloca o estado o Brasil, a população em risco. Ele desafia a soberania da paz e justiça.

Agora ministro senhor acha que soltando presos vai resolver a superlotação nos présidios brasileiros?

Será que na rua eles não vão ser recrutados, para trabalhar nas ruas, em sinais etc arrecadando dinheiro para serem depósito na conta daa facções.

Será que eles soltos não vão ser recrutados p trabalhar dentro do tráfico de drogas como "aviãozinhos da boca de fumo".

Vocês está tratando a doença, não imaginando na cura.

No texto o objetivo é reduzir a população carcerária. Só isso.

E aí?

Vai reduzir momentaneamente, mais anote a data de hoje é a pouco tempo, em breve estarão de volta p os presídios..

O que vão fazer na rua?

O governo vai oferecer trabalho, de forma que ele.ocupe seu tempo, e se sobreviva?

Porque dentro das unidades prisionais ele não morre de fome.

Nas ruas se não oferece oportunidade ao mesmo, ele vai cometer crime p se sobreviver. Isso é fato.

A reincidências no Brasil e é altíssima.

Será que o governo vai empregar 50 mil presos?

Maioria não tem profissão, porque cresceram no crime, e não estudaram e não aprenderam uma profissão. Então vão fazer o que sabe.
Nem precisa dizer.

O Sistema Prisional brasileiro é bem mais amplo do que estão tratando.

Necessita de estudos aprofundados regionalizados.

Não se pode tomar decisão em um Estado , tratando os demais igualmente nessa tomada de decisão como essa.

Aí no texto ainda cita:

Que vai melhorar o sistema prisional.

Aí é demais.

Isso não vai acontecer.

E a população inocente, do bem, serão reféns novamente. Como ficará a segurança nas ruas?

É acreditar que 50 mil presos, que cometeram crime, não vão mais cometer crime saindo às ruas.

Não é assim que vão resolver a superlotação do sistema prisional.

Isso vai além de muitos estudos e pesquisas. O que cresceu a anos errado, não se resolve da noite para o dia, em uma tomada de decisão rápida.

Há de se investir no Sistema Prisional Brasileiro.

Comece valorizando aqueles país e mães z irmãos, filhos , agentes penitenciários que ali estão lidando com essa superloção.

Valorize os:
1) reconhecendo a profissão no artigo 144 da constituição federal

2) realize concursos em todos estados brasileiros.

3) mude as leis como a de execução penal;

4) não há como : construa mais presídios com estruturas descentes;

5) Presos deveriam trabalhar p se manter, se sustentar e manter suas famílias aqui fora;

6) A profissionalização lá dentro é essencial;

7) trate o crime organizado como ele escolheu. Tratamento diferenciado.

Dentre várias, várias outras medidas para se solucionar esse barril de pólvora. Não estender , pois são várias medidas cautelares...

Então essa medida não funcionou em outras vezes e não irá funcionar mais uma vez.

Inicie cuidando dos filhos dos presos aqui fora, escola tempo integral, vigilância na educação familiar, pois senão ele está fazendo a faculdade dentro de casa.

Exemplo proíba visitas de crianças nos presídios.

Eeeeee Brasílllll...







Enquanto o governo de Minas Gerais tem dificuldades para pagar os salários dos servidores públicos – escalonamento da folha é realizado desde fevereiro de 2016 -, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) fez um levantamento que apontou o acúmulo irregular de cargos que pode ter gerado um prejuízo mensal de mais de R$ 480 milhões. No estado, 102,6 mil servidores públicos estão sendo investigados por acúmulo ilegal de cargos. A prática é proibida pela Constituição Federal.

De acordo com o estudo, ao qual a TV Globo teve acesso com exclusividade, esses casos de acúmulo com indícios de ilegalidade, considerando servidores ativos e inativos. Há funcionários que acumulam dois, seis e até dez cargos diferentes.

Em um dos casos foi detectado que uma médica de Belo Horizonte, já aposentada, trabalha simultaneamente em seis órgãos públicos - totalizando uma carga horária semanal de 108 horas e uma remuneração bruta de R$ 47.833,03.

Na Secretaria Municipal de Saúde de Sabará, na Grande BH, o produtor procura pela médica Lúcia Maria Alves da Rocha Coelho. A atendente responde: “Eu não sei se... tem um dia certo pra ela vir. Ela não tem um dia certo pra ela vir na secretaria porque ela é médica reguladora”.

 
Estudo do Tribunal de Contas de Minas Gerais identificou médica que tem seis cargos públicos e salário acumulado de quase R$ 50 mil (Foto: Reprodução/TV Globo)Estudo do Tribunal de Contas de Minas Gerais identificou médica que tem seis cargos públicos e salário acumulado de quase R$ 50 mil (Foto: Reprodução/TV Globo)

Estudo do Tribunal de Contas de Minas Gerais identificou médica que tem seis cargos públicos e salário acumulado de quase R$ 50 mil (Foto: Reprodução/TV Globo)

 

O produtor também foi à Secretaria Municipal de Vespasiano onde, segundo o TCE, Lúcia Maria Alves Coelho também trabalha. "E ela já veio", disse a atendente. O produtor pergunta: "Ela já veio e já foi embora". Ela responde: "Já. Já assinou aqui, já". O produtor insiste: "Ela veio, assinou e foi embora?". A mulher reafirma: "Isso. Ela vem e faz é isso". O produtor pergunta de novo: "Não entendi. Ela vem, assina e vai embora?". Ela diz: "Sim".

A médica também é funcionária da Secretaria Municipal de Ribeirão das Neves e também não foi encontrada. "Segunda ou quinta", disse a funcionária quanto aos dias que a médica trabalharia. "Ou quinta. Mas vem rápido?", pergunta o produtor. "É, fica aqui poucos minutos e vai embora atendente. E não tem um horário específico, não", fala a funcionária.

Lúcia Maria é médica concursada da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte. "A doutora Lúcia não fica aqui, não".

Ao todo, a médica que é aposentada ganha cerca de R$ 50 mil por mês e acumula seis cargos públicos. A carga horária que ela deveria cumprir é de 108 horas semanais. Se ela trabalhasse de segunda a sexta daria 21 horas e seis minutos por dia.

A médica não foi localizada por telefone.

 
Levantamento do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais identificou servidor que acumula cinco cargos públicos (Foto: Arte/TV Globo)Levantamento do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais identificou servidor que acumula cinco cargos públicos (Foto: Arte/TV Globo)

Levantamento do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais identificou servidor que acumula cinco cargos públicos (Foto: Arte/TV Globo)

 

Outro exemplo identificado foi do médico urologista Arley Valle Soares. Ele mantém cinco vínculos em diferentes unidades médicas da Região Metropolitana de Belo Horizonte que somam 96 horas semanais.

Nosso produtor tentou encontrá-lo no Centro Especializado de Consultas Iria Diniz, em Contagem, na Grande BH. "Arley? Ele não tá aqui hoje, não", disse o atendente.

Ele é servidor em Contagem, mas também atenderia em Sabará, Ribeirão das Neves e Belo Horizonte. Ainda segundo o levantamento, 184 pessoas já falecidas permanecem recebendo pelo estado.

Por telefone, Arley negou que tenha cinco empregos. "Não tenho cinco vínculos trabalhistas. Eu tenho um concurso público". O repórter fala: "O senhor tem um concurso público, só, que seria na Prefeitura de Contagem. E as outras quatro, pelo que entendi seriam, seriam serviços temporários?".

O médico interrompe: "Não, não tem outras quatro. O trabalho quatro que eu tenho é um particular, e presto em Sabará serviço de exame médico. Contratado para fazer exame médico diante de uma seleção pública", afirmou Arley.

O presidente do TCE, Cláudio Terrão, foi contundente: "O próprio controlador interno. O próprio município, por exemplo, instaurará um procedimento administrativo pra ver, por exemplo, se ele conseguiu no acúmulo de três cargos prestar o serviço de médico nesses três municípios. Porque se ele não conseguiu, além de ele ter que ser desligado de um desses, ele vai ter que ressarcir ao erário aquilo que ele recebeu indevidamente", disse Terrão.

Ainda segundo o TCE, o desperdício de dinheiro com esses funcionários pode ter dado um prejuízo mensal de mais de R$ 480 milhões aos cofres públicos.

A capital mineira é a cidade com mais servidores que acumulam cargos remunerados. Em 2015 eram 4.263 as pessoas que cometiam irregularidades. Betim vem na sequência com 3.108 servidores. Depois aparece Contagem, com 1.869, segundo o Tribunal de Contas do Estado.

 

O estudo vai integrar um cadastro de agentes públicos de Minas Gerais que será lançado nesta terça-feira (24) pelo TCE. O objetivo da iniciativa é acompanhar e fiscalizar os atos de gestão da folha de pagamento dos servidores.

E tem mais servidor público na mira do TCE. Com o cruzamento de dados do cadastro do funcionalismo que inclui prefeituras e todos os órgãos do estado, o tribunal vai caçar quem ganha mais do que o teto constitucional e os servidores fantasmas, que somente aparecem pra receber e não trabalham.

A Secretaria Municipal de Saúde de Sabará informou que Arley Soares é responsável pelo Programa de Saúde do Homem no município e que Lúcia Maria tinha dois cargos como médica e que foi exonerada de um deles.

A Prefeitura de Contagem reconheceu que Arley Soares cumpre jornada de trabalho de 20 horas semanais no município.

A Secretaria de Saúde de Belo Horizonte informou que vai apurar o caso da médica Lúcia Maria.

Já a Prefeitura de Vespasiano disse que Lúcia Maria pediu exoneração no último dia 20.

A Prefeitura de Ribeirão das Neves disse que vai investigar a situação e que, se houver irregularidades, os servidores vão ter prazo de dez dias para se defender.

O emprego de mão de obra prisional e a ajuda de parceiros da iniciativa privada e da comunidade local possibilitaram a reestruturação da unidade que ganhará novas vagas



Em tempos de escassez de recursos financeiros a administração proativa dos diretores de unidades prisionais se torna essencial para vencer os desafios diários da rotina de trabalho. Foi isso que o diretor geral do Presídio de Mariana, localizado na região central, fez. A despeito da falta de recursos, Antônio de Pádua Pataro Dutra Júnior, que está à frente da unidade a pouco mais de um ano e meio, comemora o aumento de 20% da capacidade da unidade com o término das obras de ampliação, previstas para o próximo mês.

Foto 1

A unidade prisional, que atualmente tem capacidade para atender 108 presos, passará a contar com 129 vagas. Além da ampliação com a construção de novas celas, o presídio ganhou uma nova faixada com a obra de uma muralha, em substituição à grade que dava acesso à entrada principal da unidade. O muro que circunda a unidade também foi aumentado, ampliando a segurança do presídio e impedindo a visibilidade para o interior da unidade.

Foto 2

   Antes                                                                           Depois

E quem coloca a mão na massa para mudar a estrutura da unidade são os próprios presos. Ao todo, 17 detentos do Presídio de Mariana trabalham: sete dentro da própria unidade em atividades diversas e outros dez em uma parceria com a prefeitura municipal nos setores de limpeza urbana, manutenção elétrica e transportes.


Cláudio Paulo Margarida, de 61 anos, é um deles. Ele trabalha há oito meses como mecânico no setor de transporte da prefeitura e é responsável pela manutenção de veículos oficiais do município. Em dois meses ganhará a liberdade e os dias de trabalho ajudam este tempo a passar mais rápido. “Esta é uma excelente oportunidade para o preso, pois além de ocupar de forma construtiva o tempo, é possível ainda aprender sempre algo novo e ser útil para a comunidade”, disse Cláudio.

Foto 3

O diretor-geral acredita que apesar das dificuldades orçamentárias, as parcerias contribuem substancialmente para a melhoria da unidade. “As obras são possíveis graças à participação de comerciantes locais, apoio da prefeitura do município, igrejas e da comunidade de Mariana, que entende a importância do trabalho de ressocialização e segurança que estamos desenvolvendo”, ressalta Pataro. Ele conta que uma das soluções criativas encontradas foi a de reforçar a área da carceragem com trilhos de ferro doados pela Vale do Rio Doce.

Foto 4

 De detento a estudante e empreendedor

 

José Crispim de Oliveira, 52 anos, cumpriu pena no Presídio de Mariana. Ele é um exemplo de força de vontade na busca da reintegração social. Enquanto ainda estava preso participou em 2016 do Exame Nacional do Ensino Médio para Pessoas Privadas de Liberdade, o ENEM PPL, e, graças à nota alta que obteve em redação, foi aprovado no curso de serviço social da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).


Atualmente ele está no terceiro período do curso e é grato pela oportunidade de estudar dentro da unidade prisional. “Graças ao trabalho sério desenvolvido pelos técnicos da Seap, à atenção dos professores e às oportunidades oferecidas pela direção do presídio eu consegui uma nota alta no exame, o que possibilitou meu ingresso em um curso superior na primeira chamada”.

Foto 5

 Além de universitário, ele também se tornou empreendedor. Após o cumprimento da pena José Crispim começou a produzir blocos de cimento para a construção civil. A surpresa vem com a atitude do ex-detento, que agora doa blocos para as reformas da unidade na qual esteve acautelado. “Vejo a importância de ajudar doando blocos de construção para as obras realizadas no Presídio de Mariana, na medida em que a contribuição mantém um grupo maior de presos em atividades laborais, e é uma forma de reconhecimento pelo trabalho lá realizado”.

 

Texto: Rangel de Oliveira

Fotos: Dierceu Aurélio/Arquivos Seap

Rate this item
(0 votes)

Julio Costa presidente do MOPMG Movimento Ordem e Progresso de Minas Gerais esteve presente na comemoração do Centenário do Colégio Batista Mineiro em Belo Horizonte MG.

Abertura do evento teve início as 9h com a execução do Hino Nacional pela Banda Marcial da 4ª Região do Exército. O local de ínvios foi na esquina da rua Varginha com Ponte Nova, entre as duas unidades BH Floresta Séries Iniciais e Finais festejadas pelo centenário do Colégio.

Dentre as atividades constaram apresentações da Banda Marcial da 4a Região do Exército, exposição de veículos de guerra, exposição das famosas Harleys Davis da Polícia do Exército, estande de montanhismo do Exército é uma apresentação das mais extraordinárias com os cães de guerra da Polícia do Exército.

Ação Social
Testes gratuitos de Hepatite B, Retinopatia Diabética, exames oftalmológicos, emissão de carteira de identidade, assessoria jurídica, incentivo à higiene bucal para crianças, distribuição da Revista Recrutinha do exército, entre outras.

Meio ambiente
Plantio da Cerejeira Japonesa Milenar, uma oferta generosa da Miura Cerejeiras, que há décadas faz o plantio das belíssimas Cerejeiras Japonesas Milenares, famosas pela sua linda florada a cada ano.

Lixo Eletrônico
Recolhimento de lixo eletrônico e o uso de peças boas. Aqueles aparelhos que estão abandonados na sua casa podem ser levados ao estande do Rotary e serão devidamente descartados após aproveitamento de possíveis peças boas.

Julio Costa ao lado de varias autoridades apresentou o plano inicial do MOP e já agendou para breve uma reunião com todos os representantes da Segurança Publica de Minas Gerais para apresentação oficial do partido no mesmo Colégio onde foi muito bem aceito pelos seus representantes.

M.O.P. Movimento Ordem e Progresso
Julio Costa - Presidente MOP-MG

Friday, 13 April 2018 11:13

GRUPO MOP NO WHATSAPP

Rate this item
(0 votes)

Grupo do MOP MG no WhatsApp

CLIQUE AQUI PARA ENTRAR

O MOP nasceu de um grupo de brasileiros indignados com o rumo que o Brasil tem tomado nas últimas décadas.

O nosso país, apesar de se distinguir por seu tamanho continental e por diversas potencialidades, especialmente em toda sorte de recursos naturais, tem amargado ser sempre o país do futuro.

Desde a chamada redemocratização, patinamos na economia, na saúde, na educação, na segurança pública, enfim, em praticamente tudo temos sofrido reveses. Paramos de crescer como nação.

 Além de todos estes percalços, temos visto a radicalização ideológica socialista tentar levar o país a um regime que não é o que os brasileiros querem.

Vimos o dinheiro de nossos tributos financiarem governos estrangeiros ditatoriais, todos inclinados ao comunismo, com as mais diversas obras de infraestrutura, sem falar na corrupção generalizada que permeou tais transações.

O quadro é por demais assolador.Entendemos que os brasileiros, aqueles que amam sua pátria e querem ver dias melhores para seus filhos e netos, não podem mais “dormir em berço esplêndido”.         Temos que tomar as rédeas do nosso país, fazer com que a moral, a ordem e o progresso realmente norteiem os rumos da nação.

Foi com este espírito de indignação contra o atual estado de coisas que nasceu o MOP. Neste sentido, convidamos os homens e mulheres de bem, brasileiros patriotas, a somarem esforços junto conosco, tirando o Brasil do lamaçal da corrupção e das radicais ideologias socialistas que, como todos sabem, não deram certo em nenhum lugar do mundo, antes, foram responsáveis por mais de cem milhões de assassinatos.

O MOP é Brasil acima de tudo e Deus acima de todos.

O MOP é Deus, Pátria e Família.

Conheça o MOP e junte-se a nós.


CLIQUE AQUI PARA ENTRAR

O Grupo do MOP MG no WhatsApp foi criado com o objetivo de divulgar as matérias produzidas pelo veículo de comunicação e propiciar a interação com os leitores.

Visando um ambiente harmonioso foram estabelecidas as seguintes regras:

É PROIBIDO

  • Correntes;
  • Ofertas de Produtos e Serviços;
  • Vídeos que não retratem um fato noticioso;
  • Imagens de saudações;
  • Ofensas e Apologia ao Ódio .

É PERMITIDO

  • Saudações em texto;
  • Informações relativas a fatos noticiosos;
  • Imagens e Vídeos de ocorrências, desde que não haja exposição explícita de vítimas.

PENALIDADES

  • Na Primeira Ocorrência: Advertência Verbal Pública;
  • Na Segunda Ocorrência: Remoção Permanente do Grupo.

O MOP MG não se responsabiliza pelo conteúdo transmitido por seus usuários. Em caso de descontentamento com o teor de alguma mensagem, comunicar a administração via mensagem privada ( 34 9 9804-3920).

CLIQUE AQUI PARA ENTRAR

Rate this item
(1 Vote)

Na manhã dessa quarta-feira (11) o agente penitenciário S. R. da C. foi preso pela equipe do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Ipatinga-MG. Ele foi preso em Santana do Paraíso, onde reside.

De acordo com o Gaeco, a ordem de prisão veio da Justiça de Ipatinga após um pedido do Ministério Público. Sérgio teria sido investigado durante a operação Alcatraz, realizada no ano de 2017. A Operação investigava a participação de agentes penitenciários na facilitação da entrada de drogas e aparelhos celulares no Ceresp de Ipatinga.

Ainda segundo a nota encaminhada á imprensa, S.R.C será conduzido à Belo Horizonte, onde permanecerá preso à disposição da Justiça.

Page 8 of 38

ACESSOS RÁPIDOS

                  

AMAF MG

AMAF MG
Associação Movimento Agentes Fortes de Minas Gerais

Presidente: Julio Costa

ÚLTIMOS POSTS

NEWSLETTER

Assine a newsletter da AMAF e receba em seu email as principais notícias do Sistema Prisional de Minas Gerais